• Juliana de Paula

5 experiências incríveis para se viver em Paris (e arredores)


Vista de Paris. Foto: Unsplash.



É lugar comum dizer que Paris é uma cidade incrível. Sua variedade de museus, parques, cafés e monumentos culturais e artísticos fazem da capital francesa um verdadeiro banquete para os sentidos de seus visitantes.


Depois de diversas temporadas na Cidade Luz, posso dizer que sei uma coisinha ou outra sobre alguns lugares que proporcionam experiências incríveis e que vão muito além dos passeios tradicionais.


Essas são experiências pessoais, pode ser que não tenham para todos o mesmo encanto que têm para mim, mas se você é apaixonado pela cultura francesa e deseja viver Paris de um modo singular, eis as 5 coisas que considero mágicas nesta cidade e seus arredores.


Viva o contraste entre a metrópole e “la campanhe”


40 minutos. Eis o tempo que você gastará para ir do vuco-vuco do centro de Paris, com suas lojas badaladas, museus disputados e ritmo frenético, até o som dos pássaros ao redor de um belo campo de trigo dourado.


O passeio bate-e-volta de Paris até Versailles já é famoso, mas o que muita gente não sabe é que no entorno de Paris existem tantas outras pequenas vilas repletas de beleza e tranquilidade.


Recomendo fortemente uma visita a Commune de Fontenay-le-Fleury, um local encantador e mergulhado numa paz bucólica incrível. O vilarejo fica apenas 30 quilômetros a sudoeste de Paris, no coração da planície de Versailles.



Capela de Saint-Jean, em Fontenay-le-Fleury. Foto da autora.


Cerca de 10 quilômetros desta região está a igualmente encantadora Rennemoulin, muito procurada por casais em busca de um espaço aberto e cheio de luz para celebrações de casamentos.


Além da paisagem natural incrível e o clima de paz, você irá achar aqui e ali pequenas joias arquitetônicas, como ruínas, capelas e igrejas medievais.


Tire um dia para se perder entre os livros


Paris é repleta de ótimas livrarias. Nem preciso dizer que a mais famosa delas, a célebre Shakespeare and Co., é parada obrigatória para qualquer amante da leitura. O que muita gente não sabe é que os tradicionais buquinistas, vendedores de livros usados que se tornaram populares no final do século XIX, ainda existem.


Um breve passeio pelas margens do Sena é o suficiente para encontrar diferentes barraquinhas onde os clássicos da literatura francesa são vendidos por preços bem camaradas. Tire um tempo para conhecê-las e bater um papo com os vendedores, que também são ótimos contadores de histórias.


Os famosos buquinistas nas margens do rio Sena. Foto da autora.


Outro lugar fora do comum para namorar os livros é a L'Eau Et Les Rêves, uma livraria instalada em nada menos que num barco ancorado no rio Sena. A livraria funciona também como restaurante e café e possui uma vasta coleção de livros de botânica.


Fique atento: A L'Eau Et Les Rêves fica ancorada no número 9, no Quai de l'Oise, mas fecha durante os meses de verão.



Tome um pomposo café da manhã francês


A tradição vem da Belle Époque: iniciar o dia com uma refeição reforçada e de preferência num café repleto de elegância. Paris tem muitos lugares perfeitos para se tomar um típico petit déjeuner parisien, mas nenhum é tão charmoso e conhecido como o Café Angelina - o meu favorito.


O local é com certeza um dos mais belos da cidade, sendo frequentado há décadas por escritores, filósofos e toda sorte de celebridades. Claro, as filas são longas, por isso prefira sempre fazer sua reserva. Valerá a pena.


O Angelina é conhecido mundialmente por seu chocolate quente. A receita do “chocolat à l’ancienne” é mantida em segredo até hoje, mas o café da manhã é variado e repleto de quitutes de encher os olhos.


Enquanto degusta do vasto cardápio, não deixe de admirar a incrível decoração do local, um pedacinho vivo da Belle Époque no coração de Paris.



As deliciosas sobremesas do Café Angelina. Foto da autora.


Viva (ao menos um pouquinho) como um morador de Montmartre


Montmartre é sim tudo isso que dizem e muito mais. Embora sempre cheio e muito procurado por turistas do mundo inteiro, o bairro mais famoso de Paris ainda sustenta sua importância cultural como nenhum outro.


Para entender o verdadeiro clima de Montmartre é preciso viver ali como um local. Através de sites como Airbnb é possível encontrar uma grande variedade de apartamentos e lofts para locação por temporada. E aqui há uma diferença bem grande entre ficar num hotel (que também é uma experiência excelente) e ficar num apartamento local.


Entrar e sair do prédio, conversar com os moradores, tirar uma tarde para passar no mercadinho e fazer suas compras. Ou quem sabe passar uma noite num café próximo e voltar a pé para a sua morada.


Essa é uma das experiências que mais me fascinam: a de se misturar no meio dos locais e ver a vida correr ao redor. O bairro tem um ritmo próprio, que oscila entre o fervor dos visitantes e lojinhas obscuras e cheias de mistério onde se acha de tudo. Uma combinação rara de clássico e arrojado.


Não há lugar melhor para se conhecer a alma parisiense do que em Montmartre.



Montmartre: alma e coração de Paris. Foto: Unsplash.


Deite no gramado de um dos parques da cidade num dia de sol


Parisienses, assim como eu, amam o sol. É bem verdade que o verão por aqui anda na casa dos 40º, desafiador mesmo para mim, vinda de Brasília, mas tirar umas horinhas para fazer nada num parque ainda é algo essencialmente divertido.


Sentar-se num gramado, seja para um piquenique fora de hora ou apenas para apreciar o céu azul, é uma experiência que diz muito sobre a cultura francesa e sua paixão pela natureza.


"Esquentando sol" no Jardin des Tuileries. Foto da autora.


Não é por acaso que Paris é repleta de parques e praças arborizadas. Esses espaços se tornam, a qualquer hora do dia e da noite (vale lembrar que no verão francês temos luz solar até as 8 da noite) em verdadeiras ilhas de tranquilidade no meio do corre-corre da capital. Não é raro encontrar quem aproveite esse momento para meditar, namorar ou ler um livro.


O meu preferido é o Jardin des Tuileries, ali pertinho do Louvre. Dada a sua localização privilegiada, é possível aproveitar uma soneca na grama e depois, quem sabe, bater pernas pela coleção de arte mais famosa do mundo.



 


15 visualizações0 comentário